Taxas de juros seguem as melhores do mercado, e subsídio do governo aumenta para até R$ 47,5 mil

 

Com o anúncio do governo feito em fevereiro deste ano a respeito das

mudanças nas regras do Minha Casa Minha Vida, o destino de muitos brasileiros pode mudar para melhor. Isso porque agora, por meio do programa, famílias com renda mensal de até R$ 9 mil podem financiar sua casa própria, e ainda com mais auxílio, já que o valor do subsídio também foi modificado.

Para muitas pessoas, isso significa finalmente uma chance real de alcançar o sonho de adquirir um imóvel e sair do aluguel, proporcionando maior estabilidade e segurança pelas próximas décadas aos seus dependentes. Antes, apenas famílias que recebiam até R$ 6,5 mil por mês se encaixavam nas normas, obtendo até R$ 45 mil de subsídio – agora, este valor pode chegar a até R$ 47,5 mil, depende da cidade em que o imóvel se encontra.

Os juros se mantêm os melhores do mercado, o que também aumenta a possibilidade de compra. A Faixa 1 (renda mensal de até R$ 1,8 mil) continua com taxas de 5% ao ano, assim como a faixa 1,5, que se manteve inalterada com taxa anual dos mesmo 5%. Já na Faixa 2 (renda mensal de até R$ 2,6 mil), a variação cobrada segue entre 5,5% a 7% ao ano. Na Faixa 3, famílias com renda de até R$ 7 mil por mês terão taxa cobrada de 8,16%, enquanto aquelas que recebem entre R$ 7 mil e R$ 9 mil, os juros ficam em 9,16% anuais.

Famílias enquadradas na primeira faixa participam do Minha Casa Minha Vida como um programa social, sob responsabilidade da Prefeitura de sua cidade. Já as famílias que se enquadram nas faixas 1,5, 2 e 3 têm direito ao subsídio do governo para a compra do imóvel – na Faixa 3, é possível contar com os recursos do FGTS com taxas abaixo do mercado.

O Minha Casa Minha Vida é o maior programa habitacional já criado no Brasil. Desde o seu lançamento, o projeto já entregou mais de 1 milhão de moradias, oferecendo descontos e vantagens especiais para facilitar o financiamento da casa própria.